“REMOVED” – VOCÊ ESTÁ INCLUÍDO NESSE GRUPO?

Toda semana você vê algum fotógrafo tentando chamar atenção para uma causa, seja ela qual for. Dessa vez, o fotógrafo Eric Pickersgill decidiu representar momentos do seu cotidiano de uma maneira um pouco diferente.

Não é nenhuma novidade que o uso smartphones e redes sociais têm crescido exponencialmente em nossas vidas. E embora o uso desses computadores de bolso tenham facilitado muito às nossas vidas com tarefas básicas, aproximando pessoas, nos guiando por lugares desconhecidos e muito muito mais, os impactos sociais estão se apresentando de maneiras sutis no meu, no seu e no dia-a-dia de todos os que você convive.

“O projeto começou quando me sentei em um café uma manhã”, Eric diz, “E isso foi o que eu escrevi sobre a minha observação:”

Família sentada perto de mim no Illium café em Troy, NY, está tão desconectada um dos outros. Sem muita conversa. Pai e duas filhas estão usando seus smartphones. A mãe não tem um, ou decide não tirá-lo do bolso. Ela observa a janela, triste e sozinha, na companhia dos membros mais próximos da sua família. O pai olha ao redor de vez em quando para anunciar alguma notícia obscura que ele encontrou na internet. Ele tenta, duas vezes, falar sobre um grande peixe que foi capturado. Ninguém responde. Eu me sinto triste pelo uso da tecnologia para interação em troca da não interação. Isso nunca aconteceu antes e eu duvido que nós chegamos à beira do impacto social dessa nossa nova experiência com smartphones. Agora a mãe tirou seu telefone do bolso.

A imagem dessa família pode ser tão comum pra você como é para Pickersgill. “Eu vejo essa família no mercado, em salas de aula, no carro ao lado, até mesmo na minha própria cama, quando vou dormir com minha mulher. Nos deitamos de costas, um para o outro, acariciando nossos pequenos e gélidos celulares toda noite.”

E foi nesse contexto que o fotógrafo decidiu posar seus modelos segurando seus celulares e retirando os aparelhos momentos antes de ele clicar a foto.

Para acessar mais fotos do projeto, clique aqui

e aí, como você vê o impacto dos smartphones na sua vida?

HOW TO INSTAGRAM LIKE A PRO #1

ISSO NÃO É UM TUTORIAL.

Essa é uma versão traduzida de um post que escrevi em um blog inglês (também de minha autoria). Link do post original: http://wp.me/p2s8rn-ez

Ultimamente eu tenho dedicado uma grande parte do meu tempo livre para ver e curtir fotos que chamam a minha atenção no Instagram. Existem diversos fotógrafos bons por aí e eu queria, de alguma forma, compartilhar o entusiasmo que eu sinto sempre que vejo uma foto boa.

Esse post introduz uma série que eu vou chamar “How To Instagram Like a Pro”, em português “Como Fazer Instagram Como um Profissional”. A série será composta de fotos cautelosamente selecionadas de uma lista que eu fiz, só de Instagrams legais.

Sempre fui um grande fã de fotografia, e mesmo não sendo um expert na área, eu me considero alguém com o mínimo de senso crítico para saber o que é uma boa fotografia. Por ser um entusiasta, é fácil estar sempre aberto para “novas coisas”, como manipulação de imagem e vídeo, e muitas outras coisas que a galera tem feito pela internet.

Nos últimos anos, eu presenciei muita controvérsia quanto à fotografia digital. Muitas pessoas colocando profissionais contra amadores, comparando DSLRs com iPhones, e coisas do tipo. Tudo gira em torno do mesmo ciclo: “Quem nós podemos considerar como fotógrafos?” e “Instagram é uma forma de fotografia profissional?”

Segundo o Google, a definição de fotografia é “a arte ou prática de tirar e processar fotos”, o que basicamente significa que a fotografia pode ser feita por qualquer um com o mínimo entendimento do assunto, desde que a pessoa em questão tire e processe a foto, o que – graças à tecnologia – pode ser feito em questões de segundos em um smartphone qualquer.

A fotografia digital se estendeu a certo ponto, que pode ser dividida em gêneros e subgêneros. Cada método de fotografia e processamento leva a um “estilo”, e fica fácil se perder no meio de tudo isso.

Sem a intenção, Instagram se tornou uma das diversas ferramentas disponíveis para se tirar, processar e compartilhar imagens belas, criadas por uma comunidade que se estende desde o usuário que quer mostrar o seu domingo na praia com a família, até o perfeccionista hardcore da fotografia. E enquanto muitas pessoas dizem que o Instagram não é “fotografia de verdade”, por ser 1×1, ou qualquer outro motivo tolo, eu discordo. Talvez não seja a maneira ideal para se trabalhar, mas é a melhor forma de marketing pessoal que alguém pode ter.

Sem mais delongas, abaixo estão alguns dos meus Instagrams favoritos. E enquanto você olha as fotos, eu te pergunto: “No Instagram tem ou não fotografia de verdade?”

Lembre-se de checar os feeds de cada um! Valerá cada segundo.

NATHANIEL ATAKORA MARTIN

Fotografo – Alberta, Canadá

A maior parte do seu feed é de belas paisagens frias de países do norte, e alguns retratos muito bem compostos.


CARMEN

Estudante de nutrição (e uma talentosa “instagrammer”) – Vancouver, Canadá

Além de nos fazer sentir ciúmes, Carmen nos ensina sutilmente como ter um café da manhã saudável através de imagens que vão de dar água na boca toda vez que vê-las.


NEAVE BOZORGI

Fotografo – Los Angeles, USA

Sexy, espontânea, bem composta e bem…intrigante. Suas imagens são tudo o que você espera de uma fotografia sensual. Eu realmente amo o jeito que ele captura as modelos “criando imagens que são intimas em natureza e saturadas com nostalgia sensual”, como ele descreve na sua bio.


SWOPES

Uma fofura de Chicago que tira fotos e as edita somente com seu iPhone

cold 🙏

A post shared by Elise Swopes (@swopes) on

Suas imagens capturam um ponto de vista alternativo da vida urbana que muita gente não tem o privilégio de ver. Ela traz vida ao que, muitas vezes pareceria entediante e até arrisca algumas montagens. E eu acho o máximo o fato de ela utilizar apenas seu celular durante o processo todo de tirar, editar e compartilhar suas fotos.


BEN BROWN

Youtuber Nômade, Atleta, Fotógrafo, Filmmaker, Empresário e “Marketeiro”

Para finalizar, essa timelapse de Ben Brown. Esse cara é um dos principais motivos de eu ter deixado de ser uma pessoa tão preguiçosa para me tornar entusiasta em esportes, fotografia, filmografia e, acima de tudo, um entusiasta da vida. Exalando aventura através do seu lifestyle de viagens e esportes, Ben Brown te mostra um pouco de cada coisa, em lugares como Londres, Canadá, Estados Unidos, Africa do Sul e Costa Rica. Você nunca sabe onde ele vai estar no próximo mês, na próxima semana, ou até mesmo dentro de alguns dias. Mas de uma coisa você pode ter certeza: ele estará compartilhando momentos incríveis que você desejaria ter vivido também.


C’EST TOUT, MES AMIS.

5 DICAS PARA APROVEITAR MELHOR A “GOLDEN HOUR”

Texto Original de: LightStalking.com, por Jason D. Little
Tradução-livre de: Eryc Silva

Uma das principais coisas que todos os fotografos desejam é que o seu trabalho se destaque, de alguma maneira. Obviamente não existe uma falta de fotografos no planeta, então eu não acho que qualquer pessoa que se considera fotografo é tão pretensioso ao ponto de achar que é o único a aplicar certos métodos e técnicas; é que apenas todos nós queremos que o nosso trabalho reflita a nossa personalidade, de algum jeito. Todos nós queremos aquela qualidade “mágica” em nossos trabalhos.

E, mesmo depois de ler dicas e mais dicas, artigos, e, até mesmo depois de fazer um curso de fotografia, você deve lembrar que, na fotografia, a iluminação é tudo. E a qualidade da luz é uma das coisas que mais fazem a diferença entre uma fotografia “boa” e uma fotografia “extraordinária”.

Se você está atrás desse tipo de fotografia fora do “comum”, você vai querer saber um pouco sobre o que os fotografos costumam chamar de “Golden Hour”.

Royal Ride in the Golden Sand !! { E X P L O R E D } by girish_suryawanshi, on Flickr

Golden Hour, por definição informal, é a primeira hora depois do nascer do Sol e a última hora antes do pôr-do-Sol. Esse período de tempo é influenciado pelo local onde você mora, ou o local onde você está fotografando (clima e altitude) e pela estação do ano.

golden hour by Haylee Barsky, on Flickr

O QUE A FAZ TÃO MÁGICA?

Há várias razões por que a golden hour também é conhecida como a “hora mágica”. Durante cada golden hour (de manhã e no fim da tarde), você encontrará o Sol bem baixo no céu; quando a fonte de luz é maior e mais proxima relativa ao objeto, uma luz suave e difusa é produzida. Essa luz suave é preferível para quase todos os objetos pois não cria sombras bruscas e tende a ser bem dinamica, sem perdas de detalhes para sombras extremas ou realces estourados. Além do que, sombras não são necessariamente ruins; as longas sombras criadas pelo Sol à essa hora do dia podem ajudar a adicionar textura, profundidade e interesse para o produto final. E não podemos esquecer do fantástico brilho quente e dourado. Você não é afortunado por nenhum desse beneficios enquanto fotografa embaixo do Sol de meio-dia.

RMNP Sprague Lake by MaxGag, on Flickr

E PARA QUE TIPO DE FOTOGRAFIA ELA É BOA?

Qualquer um. Paisagens, retratos, até mesmo para macro e objetos inanimados. Quase tudo parece mais bonito quando submetido ao calor da golden hour. E você não está limitado em trabalhar somente em ambientes abertos. Você pode conseguir uma bela e natural iluminação interna deixando a mágica entrar por uma janela grande.

Superfriends by jDevaun, on Flickr

DICAS RÁPIDAS PARA APROVEITAR MELHOR A GOLDEN HOUR

  • FOTOGRAFE RÁPIDO. Não esteja com tanta pressa ao ponto de não conseguir usar uma boa técnica, mas lembre-se que você tem um tempo relativamente pequeno para levar vantagem dessa luz.
  • CALCULE A SUA GOLDEN HOUR. Você pode maximizar a eficiencia da sua golden hour planejando o seu dia antes. Saiba o seu destino, tenha ideia de quais objetos você irá fotografar e calcule precisamente quando a golden hour acontece no lugar onde você irá fotografar. Existem calculadoras onlines que podem fazer o cálculo por você.
  • USE UMA ABERTURA GRANDE. Se você geralmente não fotografa com a lente aberta, a golden hour apresenta uma grande oportunidade para você começar a fotografar. Você vai se surpreender com os pontos de luz criados durante essa hora do dia.
  • FOTOGRAFE BASTANTE. Durante a golden hour, as mudanças de luz ocorrem rapidamente; a paisagem que você fotografou quando chegou ao local podem ficar bem diferentes 10 minutos depois. Então continue fotografando durante a golden hour inteira e tente capturar o maior número possível de variações.
  • AJUSTE O BALANÇO DE BRANCO. Balanço de branco automático não é a melhor escolha para quem fotografa na golden hour. Ajuste o seu balanço de branco para “nublado”/”cloudy”, senão você correrá o risco de neutralizar aquela maravilhoso brilho dourado.

Fotografar durante a golden hour pode ser inconveniente. Você pode ter que sacrificar algumas horinhas de sono para acordar bem cedo, ou desprender a bunda do sofá para fotografar no final da tarde. Mas você vai ser muito recompensado pelo resultado, já que o impacto das fotos à essa hora do dia pode ser bem surpreendente.

FOTOGRAFANDO LONGA EXPOSIÇÃO

Uma técnica muito útil para fotografar à noite é a longa-exposição. Os efeitos que podem ser capturados com longas-exposições são prazerosos de se olhar e têm uma qualidade divina. As ferramentas mais importantes que você vai precisar são: um tripé robusto e uma DSLR com controle da velocidade do obturador.
Texto original dos sites: Exposure Guide e Jim Goldstein
Tradução-livre de Eryc Silva

ISO 100 – f/22 – 22″ | Foto de Marcos Molina

Aplicar técnicas de longa-exposição é um bom jeito de se conseguir uma imagem que surpreenda pessoas. Para você que não está familiarizado com a fotografia de longa-exposição, o principal ingrediente é a pouca luminosidade, pois você vai precisar que a sua câmera receba luz por uma quantidade de tempo maior. Na verdade, é possível usar filtros para reduzir a quantidade de luz que entra na lente para, então, produzir longas-exposições mesmo nos dias mais claros.

Longas-exposições permitem o fotografo a criar uma experiência visual abstrata ou surreal, o oposto de simplesmente reproduzir uma cena como podemos ver ao olho nu. Sendo assim, esse tipo de fotografia permite que você crie algo artisticamente impressionante.

Abaixo estão algumas dicas e situações de como fazer uma longa-exposição de impressionar:

1. CRIE A ATMOSFERA

Foto de Jim Goldstein

Use longas exposições para criar uma atmosfera celestial. Muitas vezes, as condições climáticas parecem não mudar, mas na verdade elas se movem e mudam devagar. Em muitas ocasiões, essas mudanças ocorrem tão devagar que não conseguimos nem guardar na memória visual; mas a câmera consegue gravar essas mudanças. Nuvens, neblina ou ondas podem formar belas imagens no tempo de exposição certo.

COMO FAZER: Águas e mares borrados

ISO 400 – f/4 – 10″

Para capturar essa aparência dramática do oceano e do céu, a melhor condição de luz para se usar é a da “hora de ouro” (a ultima hora antes que o Sol se ponha). Siga os básicos da fotografia noturna: ponha a câmera no tripé, use uma lente wide-angle (de ângulo aberto) com a menor abertura possível, e foco para o infinito. Deixe a câmera em modo Manual ou Bulb e altere a velocidade do obturador para longa (5-30 segundos). Quanto maior o tempo de exposição, mais “borrada” a água ficará. Use o timer da câmera ou um cabo com botão para tirar a foto; isso ajuda a previnir que a foto inteira saia borrada. Não use flash! Pode arruinar o efeito na imagem.

2. DESCUBRA OS MOMENTOS

Geralmente estamos tão apressados no dia-a-dia que raramente paramos para observar os pequenos movimentos banais. Assim que você começa a perceber esses sujeitos se movimentando devagar, uma porta para um novo mundo de oportunidades fotográficas se abre. Núvens, sombras, estrelas, plantas e até mesmo pessoas ou animais se tornam ótimos sujeitos em uma longa-exposição.

COMO FAZER: Fotografando uma roda gigante

ISO 100 – f/2.8 – 1/60

ISO 100 – f/6.8 – 4″

Para fotografar uma roda gigante à noite, vá para perto dela e use uma lente wide-angle para conseguir o máximo de detalhes possível. Coloque sua câmera em um tripé e enquadre a imagem. Como você quer que todos os elementos estejam bem nítidos, escolha uma abertura pequena, entre f/11-f/32. Configure sua câmera em modo Manual ou S (Controle da velocidade) e escolha uma velocidade de acordo com a velocidade das luzes na roda gigante, e o estilo que você está procurando (qualquer um dentro de 1-30 segundos). É melhor usar o timer da câmera ou um cabo para o disparo. A imagem capturada vai estar cheia de rastros de luz em contraste com o céu preto, e mesmo assim o centro da roda gigante vai continuar nítido.

COMO FAZER: Rastros das estrelas

ISO 3200 – f/4 – 181 minutos

Uma longa exposição em uma noite estrelada pode produzir traços de luz fascinantes criados pelas estrelas e a rotação da Terra. A melhor maneira de conseguir uma foto interessante é incluir um objeto inanimado em primeiro plano, como uma árvore velha, ou montanhas. Coloque a sua câmera no tripé e o foco da lente para o infinito. É melhor usar um cabo para o disparo, ou você irá arruinar sua foto. Configure a câmera em modo B (Bulb) e a abertura entre f;2.8-f/4 para melhores resultados. Mantenha o ISO baixo para minimizar os ruídos. Pressione o botão do controle para abrir o obturador e espere. Para completar, pressione novamente o botão. Essas exposições podem durar de 15 minutos à várias horas.

COMO FAZER: Rastros de luzes supreendentes

ISO 100 – f/22 – 13″

Rastros das luzes da frente e de trás do carro tem um efeito deslumbrante, e são excelentes para fazer você criar intimidade com o tempo de suas longas-exposições, enquanto aprende. Procure uma avenida movimentada com muita luz de carros, à noite. Use um tripé robusto e posicione a câmera para que você tenha uma boa visão da área. Use uma abertura pequena de f/16 ou menor para uma maior profundidade, deixando a maior parte da imagem em foco. Quanto mais longa a exposição, mais linhas irão aparecer e mais longas elas ficarão.

3. FOTOGRAFE COMO SE ESTIVESSE PINTANDO

Enquanto o obturador da sua câmera está aberto, o sensor ou filme são, em sua essência, como um quadro. Normalmente esse quadro é aberto brevemente, mas com longas exposições a luz que bate no sensor age como um pincel. Se você deixar a cena se desenvolver com o obturador aberto, qualquer mudança será “pintada” no seu quadro. Se você estiver em um lugar com muito pouca luz, você pode usar luzes como lanternas, celulares, vela ou qualquer tipo de luz móvel para criar a imagem do seu jeito na foto. É sensacional e todos deveriam experimentar!

4. ALTERE A REALIDADE DAS CORES

De volta aos tempos em que havia um fenômeno nos filmes, onde a cor na imagem poderia mudar em longas exposições por falha na reciprocidade. Diferentes tipos de filmes experienciavam essa falha em diferentes tempos de exposição e produziam vários tipos de mudanças de cores. Para muitos desses fotógrafos, essas mudanças nas cores eram vistas como algo para se evitar, mas muitos artistas empregaram esse fenômeno para criar fotos geniais. Se você ainda fotografa com filme, vale a pena experimentar! Se você está fotografando com digital, você pode conseguir essas mudanças de cores gerando ou usando “presets” (pré-ajustes) no Photoshop, Lightroom ou até VSCO Cam (que aliás, foi falado no primeiro post do EV!).

5. FOTOGRAFIAS QUE FAZEM O ORDINÁRIO FICAR EXTRAORDINÁRIO

Quando você mostra algo novo pra alguém, que estava bem debaixo do nariz dessa pessoa por todo esse tempo, isso redesperta seu interesse por aquela coisa. Enfatizar uma ou a combinação de alguns dos efeitos visuais préviamente discutidos com longa exposição de cenas ordinárias vai prender a sua atenção. Para encontrar aquela foto que captura a atenção, você vai precisar experimentar até que os efeitos da longa exposição estejam aparentes.

CONFIGURAÇÕES RECOMENDADAS

A principal coisa para se manter na cabeça quando se está decidindo qual a exposição certa é como capturar ambas as sombras e os pontos mais luminosos. Se você está obtendo as sombras certas, você vai conseguir produzir uma cena noturna excelente que vai ganhar muitos elogios.

Quando se fotografa longas-exposições, a chave é manter o obturador aberto somente o tempo suficiente para o efeito desejado. Se você manter o obturador aberto por muito tempo, vai perder detalhes nas áreas mais iluminadas, e pode não conseguir identificar o que é o que na foto.

Quando se está tentando criar um rastro de luz, o obturador deve estar aberto por pelo menos 1 segundo, e portanto requer um tripé. Use o modo S (Velocidade do obturador) e comece com a velocidade de 1 segundo e veja o resultado; se o rastro é muito curto, adicione 2 segundos, e continue adicionando 2 segundos até você conseguir o efeito que você quer alcançar (a beleza da fotografia digital é que você pode saber imediatamente se está bom ou não). Se você tem muitos borrões, seu obturador estava aberto por muito tempo, e você precisa voltar pelo menos um segundo inteiro.

EQUIPAMENTO RECOMENDADO

Além da sua câmera digital, é claro, você precisará de um tripé para estabilizar a imagem e evitar borrões. Para praticar a fotografia noturna, sua câmera precisa ter uma opção para configurar a velocidade do obturador e a abertura da lente.

CONCLUSÃO

Fotografar imagens de longa-exposição à noite é uma técnica que se aperfeiçoa com prática e aprendendo a reconhecer as condições luminosas e como ajustar a câmera para essas condições. Dependendo do que você tem que fazer, a velocidade do seu obturador pode ser de 1/60 de segundo até vários minutos. O que torna as imagens de longa-exposição especiais é que cada imagem é única, já que os rastros de luzes se movem de maneira incomum, e com prática você pode adquirir uma coleção de fotos fantástica. As imagens únicas disponibilizadas pela longa exposição à noite são um tesouro da fotografia que muitos são acham. Imagens brilhantes podem ser resultado do seu trabalho ao tentar essa técnica.

Agradecimentos

Esse post foi traduzido e modificado para uma melhor interpretação do leitor, com dicas para ensinar ou melhorar as suas fotos de longa-exposição. Agradeço à ambos os sites, que possuem conteúdos riquíssimos sobre fotografia, pelo conteúdo fornecido e espero ter atendido ao pedido de Marcella (quem solicitou um post sobre longas-exposições).

Restaram dúvidas? Tem alguma crítica para o EV? Deixe nos comentários, abaixo!

AS BRILHANTES MULTIPLAS EXPOSIÇÕES DE KEVRÎN

“Se você ama a natureza, a vida, fotografia, literatura e um pouco de arte tradicional, você está no lugar certo!” – xoxo Kev Kills

O que é multipla-exposição?

Segundo o wikipédia, dupla exposição, ou múltipla exposição, é uma técnica fotográfica que consiste em expor um negativo ou diapositivo múltiplas vezes. Ou seja: Uma foto em cima da outra.

life beats down and crushes the soul, and art reminds you that you have one.

“a vida espanca e esmaga a sua alma, mas a arte te lembra de que você ainda tem alma.”

Essa técnica, que antes era realizada apenas por câmeras fotográficas específicas, pode ser fácilmente realizado, hoje, por programas como Photoshop e GIMP ou até apps, como InstaBlend, Leme Camera ou DPX.

Quem é Kevrîn?

Captura de Tela 2014-01-03 às 01.44.11

Há mais ou menos dois anos atrás comecei a procurar e descobrir diversos “fotógrafos de bolso” – aqueles que acreditam que fotografia e arte não dependem do equipamento, mas sim de quem a faz. E esses são fotógrafos com uma visão incrível do mundo, capazes de criar verdadeiras obras de arte dentro de um quadrado de 1,5″x1,5″, como Charles VieiraMarlon MayerMikey EstradaBrian Wertheim, entre outros. Em meio à tantos bons fotógrafos, acabei dando de cara com as brilhantes multiplas-exposições da artista holandesa Kevrîn.

Fiquei admirado pela natureza dentro da silhueta de pessoas… Dos pássaros voando de dentro, pra fora do corpo de alguém. Definitivamente o tipo de arte que eu gostaria de ter pendurado na parede.

Abaixo estão algumas de suas artes:

Comfort in a Stranger

My secret garden

i need to take a flight. the wind in my feathers. smilin' in the light. let me out.

i need to take a flight. the wind in my feathers. smilin’ in the light. let me out.

Life

O trabalho de Kev Kills, como a holandesa se auto-nomeia na internet, pode ser visto através de seu próprio site: KevKillsPhotography, ou pelo Instagram e DevianArt.

FELIZ ANO NOVO!

O EV +2 deseja para você, para seus amigos e familiares e para nós mesmos um FELIZ ANO NOVO!

Esse ano de 2014 mal chegou, mas já promete muito! Tem muito conteúdo legal pra sair esse ano no EV, muita coisa pra aprender e muita vida pra viver – isso foi uma indireta pra você que está na internet desde que acordou, com um sol escaldante fora de casa. Vá viver, explorar, tirar mais fotos – selfies não contam, à menos que sejam na piscina ou na praia – e adquira novas experiências! Cada segundo é único na sua vida, e o EV + 2 espera que esses momentos sejam especiais para você, e melhores do que os anos anteriores.

Uma dica a todos: estejam sempre dispostos e preparados para o que vier! Nunca se sabe quando você pode tirar a foto da sua vida.

FELIZ 2014!

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE STREET PHOTOGRAPHY!!

Texto original por Nick Zantop, www.itsjustlight.com
Tradução livre por Eryc Silva
Uma breve introdução:
A intenção do blog é trazer um pouco dos diversos conteúdos BONS sobre fotografia, que existem apenas em inglês, para o português; dicas e tutoriais excelentes que poderiam ser lidos por pessoas que não tem muita intimidade com a lingua inglesa.Não. Eu não escrevi o post. Apenas faço traduções livres de posts no qual eu gostaria que os leigos da lingua inglesa lessem.Todas as traduções começam com o nome do autor e o link para o post original – pra você que prefere ler em inglês.
Qualquer dúvida, dica, crítica ou sugestão à respeito do post em si, ou da tradução, podem ser mencionadas nos comentários – e serão muito bem aceitas. Agradeço desde já a você, leitor, pela visita e desejo a você uma boa leitura!
– Eryc Silva

Eu amo fotografia street. É um gênero da fotografia que é verdadeiro e eterno, capturando o drama cotidiano e abrindo uma janela para que o observador espie pelas vidas, culturas e comportamentos dos sujeitos fotografados. Mesmo que fotografias capturem apenas momentos passageiros, um bom fotógrafo street sabe como fazer um momento valer. Embora as fotografias documentárias, jornalísticas e street podem ser facilmente confundidas, a fotografia street consegue se diferenciar por colocar menos foco em eventos específicos, e mais foco em momentos espontâneos – geralmente capturados indiscretamente, sem o sujeito saber que está sendo fotografado. Continue reading