ARTISTA BRASILEIRO TRANSFORMA LINHAS ALEATÓRIAS EM DESENHOS SENSACIONAIS

O Diretor de Arte brasileiro, Rafael Dukenny, criou um projeto pessoal fantástico para incentivar sua própria criatividade.

O projeto é chamado de “Collab Arte” (em português, “Arte Colaborada”). Ele basicamente pede às pessoas que desenhem linhas aleatórias em vermelho e as transforma em ilustrações. Sem qualquer tema definido, ele desafia a própria mente à rabiscar, chegando à resultados inacreditáveis.

Abaixo estão algumas de suas ilustrações:

a35f5128759897.55d1392a798d5

Para mais ilustrações, acesse a página do projeto no Behance.

ficou inspirado? por que você não tenta também?

Advertisements

7 COISAS QUE TODO FOTOGRAFO SEMPRE DEVE TER EM MÃOS

A sua primeira DSLR provavelmente virá com uma bolsa e talvez um cartão de memória, e por um tempo, essas serão suas únicas necessidades ao levar a câmera para fotografar. Ao longo do tempo, seja, você, amador ou profissional, há algumas coisas que você deve sempre ter por perto para que suas saídas fotográficas tenham mais chances de sucesso.

Essa lista possuirá apenas acessórios e itens importantes no dia-a-dia de um fotógrafo, e não incluirá lentes.

 

7 coisas que devem estar sempre com você

1 – uma boa mochila

Material fotográfico pesa. E você deveria saber disso. Por Lowepro-Photo-Trekker-AW-II-Backpack (1)experiência pessoal, já arrebentei 4 mochilas pois preferi ir pelo preço/visual do que confiabilidade. Vale a pena gastar um pouco mais em uma mochila boa, mas isso também não significa que a mochila só será boa se for cara. Procure e leia à respeito de mochilas, e escolha uma com um material duradouro e confiável, afinal, é a sua câmera que vai estar guardada ali.

dicas de compra:

Procure mochilas especiais para fotografia ou notebook e vá até a loja vê-la. Não confie em materiais finos nas costas, alças e fundos da mochila. Compre aquela que se adequar mais às suas preferências (com mais ou menos bolsos, com espaço para notebook, etc).

2 – cartões de memória

Parece redundância, mas você se surpreenderia com as histórias de como um cartão de memória extra faria a diferença em uma saída fotográfica. Tenha sempre dois ou mais cartões na sua mochila, e na hora de fotografar, mantenha-os sempre ao alcance.

dicas de compra:

Os cartões ideais para DSLRs são os de classe 10 ou superior. Como esses cartões costumam ser caros, portanto estude promoções, procure em sites gringos ou negocie com seu fornecedor. Lembre-se: vale mais a pena comprar 2 cartões de 16GB do que 1 de 32GB! Se um deles falhar, você terá outro.

3 – GORILLA POD

Esse é o tripé que todos deveriam ter dentro da mochila. É o mais versátil e útil, você pode pendurá-lo em árvores, postes, pedras, ou literalmente qualquer lugar desde que você entenda um pouco de como a gravidade funciona.

dicas de compra:

Os preços desse tripé no Brasil variam de 70 à 700 reais, dependendo da marca. A diferença está na peça que segura a câmera (alguns aguentam mais peso, outros, nem tanto). Não precisa se preocupar em comprar o mais caro, apenas tenha certeza de testá-lo na loja, se for comprar o mais barato. Sites como AliExpress oferecem tripés de até 20 reais, então aproveite: Tamanho Médio por R$ 20,00 e Grande por R$ 40,00!

4 – BATERIA EXTRA

Baterias esquentam, principalmente quando expostas ao Sol. E quanto mais quente, mais rápido a carga acaba. Assim como cartões de memória, uma bateria extra pode te salvar de diversas ocasiões desagradáveis.

dicas de compra:

Baterias são caras, mas valem a pena. Procure sempre comprar baterias originais para não se arrepender. Caso queira economizar, procure avaliações dos produtos antes. Aqui estão duas opções de baterias baratas: Nikon (R$50) e Canon (R$30).

5 – uma boa câmera compacta

O que é uma boa câmera compacta? Bom, elas geralmente custam a partir de R$ 1000,00 (isso mesmo, MIL REAIS!). O diferencial é que ela terá a qualidade de uma DSLR, como fotografia em RAW e vídeos em 1080p (algumas possuem até uma profundidade de campo de lentes abertas, como a G7X da Canon).

dicas de compra:

Se você estiver pensando em comprar uma compacta, comece a assistir daily vloggers. As mais funcionais são as queridinhas desse pessoal, como as Canons S110, S120, G7X, ou as Sonys RX 100 I, II, III e IV. Os valores variam de R$1000,00 à R$ 4000,00, então pense bem nas suas prioridades andes de comprar uma dessas.

6 – filtros (UV, densidade variável, etc…)

Pra que filtro se eu tenho Instagram?” Se você realmente está se perguntando isso, por favor, não nomeie-se fotógrafo(a). Filtros são muito úteis, e, em alguns casos, muito importantes. Um filtro UV, por exemplo, protegerá sua lente e seus olhos na hora de fotografar na luz do sol. Um filtro de densidade variável te permitirá usar aberturas claras em plena luz do dia, sem precisar alterar a velocidade do obturador (caso você precise filmar). Filtros são muito importantes no dia-a-dia.

dicas para comprar:

Não há muito segredo na compra de filtros. A maior preocupação está com o tamanho da lente, geralmente descrito ao redor da lente. Portanto selecionei alguns links dos principais filtros com as principais medidas:

Filtro UV + Polarizador: 52 mm (R$ 30) | 58mm (R$ 38) | 62mm (R$ 35) | 67mm (R$ 35)

Filtro ND Variável: 52mm (R$ 47) | 58mm (R$ 47) | 62mm (R$ 24) | 67mm (R$ 50)

Kit Filtros: 52mm (R$ 68)
(O Kit é composto de: 1 UV, 1 Polarizador, 1 ND variável e 3 coloridos.)

7 – adaptador de cartões

Não é sempre que você poderá descarregar suas fotos com o cabo da câmera (e, quem usa DSLR sabe que descarregar direto pelo cartão é muito mais rápido), portanto é importante manter sempre um adaptador de cartões SD no bolso da sua mochila. É prático mesmo que o seu computador já tenha a porta específica para cartões.

dicas para comprar:

Adaptadores são frágeis. Não se apegue tanto à eles. Procure o que melhor “cabe no bolso” (tanto literalmente quanto financeiramente). Clique aqui para comprar um adaptador de R$ 5,00!

Por mais que investir seja difícil para a maioria, jogar um dinheiro extra no seu trabalho ou hobby realmente ajuda – e, se você tiver sorte, trará até mais retornos. Portanto, procure analisar bem os produtos que você quer comprar. Vá até a loja ou procure avaliações online!

o que não pode faltar na sua mochila? deixe nos comentários!

POR QUE COMPRAR UMA CÂMERA INSTANTÂNEA?

Sejamos francos, em meio a tanta tecnologia, celulares, tablets, câmeras digitais,
por que diabos eu compraria uma câmera instantânea?

Quando você anda pra lá e pra cá com um celular que tira fotos com qualidade semelhante à de uma DSLR, você tende a ficar um tanto quanto cético quanto a gastar seu dinheiro em uma câmera que requer que você gaste mais dinheiro para tirar fotos.

Com o avanço tecnológico, a fotografia está se tornando um hobby para cada vez mais pessoas, tornando a sua prática ordinária. Segundo uma pesquisa recente, 58 milhões de fotos são postadas no Instagram diariamente. É tanta foto que fica difícil acompanhar (ou até mesmo lembrar de cada uma).

Então, afinal, por que comprar uma câmera instantânea?

 

fotografia instantânea é eterna

Os belos momentos que você irá capturar com seus amigos e família se tornarão eternos. Ao contrário da fotografia digital, ter a foto instantaneamente impressa garante uma experiência verdadeiramente única.

instax-mini-90-camera-45b2

 

fotografia instantânea é única

O fato de que você terá uma única cópia dessa foto no mundo torna tudo mais especial. Você pode presentear as pessoas que você ama, ou até mesmo criar um mural de momentos únicos e inesquecíveis.

 

fotografia instantânea deixa tudo mais legal

Quem nunca quis uma selfie exclusiva com a Instax do amigo?  A combinação do filme com o flash dá aquele look vintage que você sempre tentou imitar com os milhares de apps no seu celular, mas nunca conseguiu.

 

fotografia instantânea deixa todos mais bonitos

Você pode estar sorrindo, fazendo caretas ou ser pego desprevenido, a verdade é que não importa, você sempre sairá bem na foto. Todas as horas que você gastava no Photoshop poderão ser gastas com mais fotografia e menos edição!

 

você só tem uma chance de acertar na foto

Por mais que esse seja um fator que gera medo nas pessoas, esse é um dos melhores jeitos de você melhorar suas habilidades fotográficas. O fato de você só ter uma chance de tirar uma foto boa fará com que você pense melhor em cada foto antes de ir clicando pra tudo e todos que aparecem na sua frente.

Além de estimular ainda mais a sua criatividade.

 


 

então, você compraria uma câmera instantânea?

Se você ficou afim de comprar uma, o Walmart sempre trabalha com preços excelentes (foi lá, inclusive, que eu comprei a minha Instax Mini!), e o side do Extra sempre fornece bons preços em equipamentos fotográficos. Aqui está uma lista com links para as mais famosas e acessíveis câmeras no mercado brasileiro:

Instax Mini 8 (R$ 399,00) – A Instax Mini 8 é a mais simples e acessível, mas tão divertida quanto às outras. (Filme Instax Mini)
Instax Mini 90  (R$ 799,00) – Essa é a mais completa e mais divertida de todas, trazendo algun modos diferentes de captura, por isso é um pouco mais cara. (FIlme Instax Mini)
Instax Mini Hello Kitty (R$ 599,00) – Sim, a Fuji fez uma câmera da Hello Kitty pra você presentear suas filhas e sobrinhas que curtem fotografar.
Filme Instax Mini c/ 20 (R$ 52,90) – Fique sempre atento ao comprar filme, pois existem caixas de 10 e 20 (10×2) filmes.
Instax Wide (R$ 799,00) – A diferença dessa câmera é que seu modelo é um mais parecido com as antigas Polaroids, com um formato maior de foto. (Filme Instax Wide)
Filme Instax Wide c/ 20 (R$ 107,00) – A mesma dica serve para esta instax. Cuidado para não ser enganado com os preços dos pacotes de 10 ou 20 filmes.

OBS: Preços poderão sofrer alterações.

E se você ficou na vontade, mas quer entender mais sobre como funcionam essas câmeras instantâneas, dá uma olhada nesse post, no qual eu falo sobre a melhor câmera instantânea que você pode comprar.

O mercado de câmeras instantâneas parece estar crescendo novamente, e promete novidades a cada ano, portanto, se você curtiu mesmo, fique sempre atento aos lançamentos.

 

tem alguma dúvida? deixa nos comentários que a gente te ajuda.

A FOTOGRAFIA TIME-SLICE DE RICHARD SILVER

Time-Slice é uma técnica pouco falada, que consiste basicamente em tirar várias fotos de uma única perspectiva durante várias horas do dia, cortar tudo e colar para formar uma única foto.

Para apresentar esse estilo de fotografia, escolhi algumas fotos do fotografo Richard Silver, um cara que já trabalhou em diversas áreas como ciência da computação e corretor de imóveis, e que sempre manteve a fotografia como paixão, até que começou a trabalhar integralmente como fotógrafo em 2011.

Richard não foi o primeiro a criar time-slices, mas suas fotografias tão intrigantes merecem servirem de referência.

Abaixo estão algumas de suas fotografias:

Para mais, acesse: richardsilverphoto.com.

Qual a sua preferida? deixe nos comentários!

“REMOVED” – VOCÊ ESTÁ INCLUÍDO NESSE GRUPO?

Toda semana você vê algum fotógrafo tentando chamar atenção para uma causa, seja ela qual for. Dessa vez, o fotógrafo Eric Pickersgill decidiu representar momentos do seu cotidiano de uma maneira um pouco diferente.

Não é nenhuma novidade que o uso smartphones e redes sociais têm crescido exponencialmente em nossas vidas. E embora o uso desses computadores de bolso tenham facilitado muito às nossas vidas com tarefas básicas, aproximando pessoas, nos guiando por lugares desconhecidos e muito muito mais, os impactos sociais estão se apresentando de maneiras sutis no meu, no seu e no dia-a-dia de todos os que você convive.

“O projeto começou quando me sentei em um café uma manhã”, Eric diz, “E isso foi o que eu escrevi sobre a minha observação:”

Família sentada perto de mim no Illium café em Troy, NY, está tão desconectada um dos outros. Sem muita conversa. Pai e duas filhas estão usando seus smartphones. A mãe não tem um, ou decide não tirá-lo do bolso. Ela observa a janela, triste e sozinha, na companhia dos membros mais próximos da sua família. O pai olha ao redor de vez em quando para anunciar alguma notícia obscura que ele encontrou na internet. Ele tenta, duas vezes, falar sobre um grande peixe que foi capturado. Ninguém responde. Eu me sinto triste pelo uso da tecnologia para interação em troca da não interação. Isso nunca aconteceu antes e eu duvido que nós chegamos à beira do impacto social dessa nossa nova experiência com smartphones. Agora a mãe tirou seu telefone do bolso.

A imagem dessa família pode ser tão comum pra você como é para Pickersgill. “Eu vejo essa família no mercado, em salas de aula, no carro ao lado, até mesmo na minha própria cama, quando vou dormir com minha mulher. Nos deitamos de costas, um para o outro, acariciando nossos pequenos e gélidos celulares toda noite.”

E foi nesse contexto que o fotógrafo decidiu posar seus modelos segurando seus celulares e retirando os aparelhos momentos antes de ele clicar a foto.

Para acessar mais fotos do projeto, clique aqui

e aí, como você vê o impacto dos smartphones na sua vida?

NÃO COMETA ESSES 5 ERROS NA FOTOGRAFIA

Começar a fotografar é mágico.

Tirar suas primeiras fotos boas em modo manual é como uma pequena dose de adrenalina no sangue. O cérebro começa a associar todo o seu conhecimento com a prática e aquela palpitação no coração só aumenta, ansiando pela próxima foto (que provavelmente não ficará tão boa, te deixando desanimado).

Todo fotógrafo passa ou já passou por isso. Seja no dia-a-dia da profissão, ou na ocasionalidade do hobby tão estudado, algumas fotos simplesmente não ficarão tão boas quanto você esperava. Muitas vezes isso ocorre por conta de erros bobos que a maioria dos fotógrafos comete no início.

O infográfico abaixo  da Colombia Photo Studio mostra 5 erros comuns que fotógrafos iniciantes começam:

(Infográfico em inglês. Tradução abaixo.)

5 erros comuns que fotógrafos iniciantes cometem

1 – não tirar fotos suficientes

É melhor ter muito mais fotos de um sujeito ou objeto específico do que não ter suficiente. Já aconteceu muitas vezes comigo a situação de tirar uma ou duas imagens de uma cena e seguir em frente, o que geralmente me deixava desapontado enquanto olhava minhas imagens no computador.

solução:

Assim que você tirar as fotos que você queria, olhe ao seu redor, caminhe pelo local, tente ângulos diferentes, tente configurações diferentes, seja paciente, aguarde que algo aconteça. Você terá muitas outras opções de escolha quando estiver editando suas imagens.

2 – A falta de um sujeito ou ponto de interesse

Quando estiver fotografando paisagens ou cenas na rua, um erro comum é tentar incluir muita informação e esquecer de focar em um sujeito ou ponto de interesse.

solução:

Quando fotografar paisagens, não foque inteiramente na cena; tente achar um ponto de interesse, como uma pedra, uma planta, ou um elemento que se destaque e capture a atenção de quem olha sua foto. E quando se trata de fotografia street, mantenha a simplicidade e remova qualquer informação desnecessária do enquadramento para evitar confusão de quem olha sua foto.

3 – não prestar atenção no plano de fundo

Muito similar ao erro anterior, não prestar atenção no plano de fundo da imagem pode resultar em alguma lixeira colorida distraindo a atenção, ou um galho, ou poste, saindo da cabeça de alguém. A única solução para isso seria gastar horas no Photoshop ou descartar a imagem.

solução:

Preste muita atenção no sujeito ou objeto fotografado, mas não se esqueça de checar os arredores por um momento. Se houver algum elemento desviando a atenção no enquadramento, você deve removê-lo ou mudar o ângulo da sua foto. Tenha certeza de que nada está tirando a atenção do ponto de foco ou entrando nas beiradas do seu enquadramento.

4 – pouca luz

Um dos mais importantes elementos na fotografia é a luz. A direção, qualidade e quantidade de luz são importantes fatores que interferem em como a foto sairá. A luz do Sol tende a criar sombras muito escuras que desfavorecem nas fotos, principalmente de retratos.

solução:

Durante o meio-dia fotografe um ambiente interno, na sombra ou aproveite o máximo que um dia nublado pode oferecer (antes de chover, é claro!). A cobertura das nuvens faz com que a luz do sol seja difusa, ou mais suave, como as de softbox. Mais importante ainda: tire vantagem da “golden hour“, quando o Sol estiver nascendo ou se pondo. Preste atenção na direção da luz e como as sombras criam um senso de profundidade nas suas imagens.

5 – edição exagerada

Pós-processamento é uma parte importante do processo fotográfico, principalmente quando se fotografa em RAW. As câmeras nunca capturam a cena exatamente do jeito que a vemos, e é por isso que usamos softwares como Lightroom e Photoshop para extrair o máximo da imagem. Contudo, é fácil se perder com edições e acabar com uma imagem completamente artificial e saturada excessivamente.

solução:

Comece a editar o básico, como ajustes de contraste e saturação. Apenas esses ajustes já são capazes de fazer uma imagem se destacar. Não se esqueça de fazer intervalos durante sua edição para refrescar a cabeça e voltar com os olhos descansados.

conclusão

Não existe um único jeito de se fazer fotografia, existem milhares de possibilidades, e a cada dia que passa, alguém sai de dentro da caixa com uma idéia inovadora super bacana, como a fotografia time-slice.

Note que essas dicas são apenas base para algo muito maior, cujo autor será você. Portanto estude bastante, especialize-se e nunca pare de aprender. E praticar é o melhor jeito de aprender.

“COMBOPHOTO”: UMA SÉRIE DE STEPHEN MCMENNAMY

Combophotos é um projeto pessoal do Diretor Criativo Stephen McMennamy, no qual duas duas fotos cortadas horizontalmente são combinadas para formar uma imagem excêntrica, como tartarugas com capacetes no lugar de cascos, ou um cachorro com cabeça de couve flor.

Todas as suas imagens são provocantes, nos dando uma chance de reconsiderar a forma de objetos que são familiares – como uma torre de água que relembra um pino de golfe. Algumas imagens são quase que uma crítica social e nos fazem questionar no como os produtos influenciam nossas vidas – como uma caixa de cigarros aberta saindo batatas fritas de fast-food.

O mais interessante é que McMennamy fotografa todas as suas fotos, deixando visíveis as linhas limites entre cada imagem combinada, criando um visual atrativo e espontâneo.

Para mais, acesse: smcmennamy.com
Para comprar uma das imagens, acesse: combophotos.squarespace

qual a sua preferida? deixe nos comentÁRIOS!

A REALIDADE POR TRÁS DO INSTAGRAM

Quem nunca postou uma foto no Instagram só pelo “like”?

Todo dia nas redes sociais alguém acorda com o intuito de buscar atenção na internet, e isso não é novidade. A melhor maneira de repercutir algo é através de meios visuais, como imagens ou vídeos que mascaram a vida cotidiana.

Usando essa crítica como contexto, a fotógrafa de Bangkok Chompoo Baritone expõe como as pessoas conseguem fazer as suas vidas parecerem melhor do que realmente é capturando a foto perfeita para o Instagram.

fonte: THEBOREDPANDA.COM

GUIA DO FOTOGRAFO INICIANTE: BALANÇO DE BRANCO

Texto Original de: LightStalking.com, por Jason Row
Tradução-livre de: Eryc Silva

Comprar a sua primeira câmera profissional é emocionante. Tanto para aprender, tantos botões e mostradores para entender, menus complexos para decifrar… Não é à toa que muitos deixem suas câmeras programadas em modo automático. Em passos pequenos, começamos a aprender sobre a relação entre todas as funções na câmera, mas talvez uma das únicas coisas que notamos é o balanço de branco. Embora nossos olhos não percebam, as luzes tem várias cores diferentes dependendo de qual a fonte de luz, e no caso do Sol, depende do tempo na rua (se chove, se está nublado etc).

 

Cor da Luz

Diferente dos nossos olhos, os sensores das câmeras não se adaptam às mudanças de cores na luz, eles precisam de ajuda de um medidor de cores (já embutido no corpo das câmeras). Na maioria das condições de luz, isso basta. Contudo, às vezes esse medidor pode ficar confuso com diferentes condições e lhe dar leituras erradas. Um típico exemplo disso é você ocasionalmente fotografar imagens mais frias (mais azul) em dias nublados. Para que o fotógrafo tenha controle, as câmeras digitais modernas permitem que você estabeleça ajustes de balanço de branco que se adapte às condições de luz do ambiente em que você está trabalhando.

Antes de olharmos para os pré-ajustes típicos de balanço de branco, vamos dar uma rápida olhada em como determinar a cor da luz. Nós usamos uma escala de temperatura chamada Kelvin (K) e a nosso ponto de referência é a luz do dia à tarde em um dia ensolarado, equivalente à 5500K. Se a luz for mais avermelhada, por exemplo a luz do pôr do Sol ou lâmpadas incandescentes, ela estará em torno de 2000K ou 5000K na escala. Se for mais azulada, ela estará mais no topo da escala. Um bom exemplo é a luz de um flash externo, que pode chegar até 10.000K.

 

Configurando o Balanço de Branco

As configurações de balanço de branco são encontradas em botões ou em menus, dependendo da sua câmera. Procure o manual da sua câmera para saber exatamente onde encontrar, e então vamos dar uma olhada nas configurações típicas de balanço de branco.

AWB ou Auto White Balance (Balanço de Branco Automático, em português). O sensor da câmera fará uma estimativa do valor de balanço de branco ideal para o ambiente e o configurará automaticamente. Essa configuração funciona bem em situações comuns, mas pode ser enganada por grandes áreas com cor na imagem ou onde alguma luz é de uma cor predominante. Um bom exemplo de como usar balanço de branco automático é uma péssima idéia é no por do Sol, quando as luzes estão bem avermelhadas e o medidor de cores neutraliza a beleza dos tons vermelhos na sua imagem.

Daylight ou Sunny (Dias ensolarados, em português). Essa configuração é determinada para usar durante o dia, em condições ensolaradas. Por mais que o AWB funcione bem nesse tipo de luz, se você estiver fotografando uma modelo que, por exemplo, vista um vestido vermelho, sua câmera se confundir e compensar o vermelho. Utilize a configuração Daylight se você precisa de balanço de cores consistente.

Cloudy (Nublado, em português). Como mencionado acima, condições de tempo nublado podem fazer o AWB deixar a imagem mais azulada. Para isso a opção Cloudy funciona, deixando a imagem mais quente.

Shade ou Shadow (Sombra, em português). Similar aos dias nublados, a opção Shade irá compensar imagens na sombra, as deixando mais quente. Contudo, deixará qualquer área ensolarada ou com luz do sol bem mais quentes.

Incandescent. Para usar em ambientes iluminados por luzes incandescentes. Embora termos diversas outras opções de luz hoje em dia, ela continua sendo muito usada, e possui uma luz muito vermelha perto dos 2200K. Nesse caso o AWB pode se enganar com uma margem de erro enorme. Utilizar essa configuração para lâmpadas incandescentes dará um tom natural às suas fotos.

Fluorescent. Normalmente essas lâmpadas variam bastante na escala Kelvin dependendo do quão velhas são ou de como foram feitas. Elas são as lâmpadas mais difíceis de se trabalhar. Se todas as luzes estiverem emitindo a mesma cor, essa configuração funcionará perfeitamente. Contudo, você pode sentir diferenças em alguns tubos emitindo cores diferentes.

Flash. Como mencionamos anteriormente, Flash é uma luz muito azulada e, mesmo que o AWB dê conta do recado, se tivermos grandes áreas com cores diferentes, ele pode ficar confuso. A configuração para Flash te dará cores mais consistentes às fotos tiradas com o flash.

K. K é de Kelvin, e se você entende a escala Kelvin quanto à cor de luz, você pode configurar o seu próprio balanço de cores.

Pre. Se você está trabalhando com fontes de luzes consistentes, talvez em um estúdio, ou em um dia nublado sem previsões de sol, você pode determinar manualmente o seu balanço de branco. Geralmente isso é feito usando um cartão branco na frente da câmera, durante as determinadas condições de luz na qual você espera trabalhar. Utilizando o menu da câmera, você pode fazer uma leitura do cartão branco e conseguir uma medida precisa que lhe dará cores consistentes, contanto que as condições de luz não mudem.

 

Entender balanço de branco é uma parte crucial da fotografia digital. É algo altamente relevante quando se está fotografando arquivos em JPEG porque o balanço de branco fica embutido na imagem final, tornando correções muito difíceis. E mesmo fotografando em RAW, podendo mudar o balanço de branco na pós-produção, ter uma boa noção das cores de luz pode lhe ajudar a conseguir uma imagem final muito melhor.

HOW TO INSTAGRAM LIKE A PRO #1

ISSO NÃO É UM TUTORIAL.

Essa é uma versão traduzida de um post que escrevi em um blog inglês (também de minha autoria). Link do post original: http://wp.me/p2s8rn-ez

Ultimamente eu tenho dedicado uma grande parte do meu tempo livre para ver e curtir fotos que chamam a minha atenção no Instagram. Existem diversos fotógrafos bons por aí e eu queria, de alguma forma, compartilhar o entusiasmo que eu sinto sempre que vejo uma foto boa.

Esse post introduz uma série que eu vou chamar “How To Instagram Like a Pro”, em português “Como Fazer Instagram Como um Profissional”. A série será composta de fotos cautelosamente selecionadas de uma lista que eu fiz, só de Instagrams legais.

Sempre fui um grande fã de fotografia, e mesmo não sendo um expert na área, eu me considero alguém com o mínimo de senso crítico para saber o que é uma boa fotografia. Por ser um entusiasta, é fácil estar sempre aberto para “novas coisas”, como manipulação de imagem e vídeo, e muitas outras coisas que a galera tem feito pela internet.

Nos últimos anos, eu presenciei muita controvérsia quanto à fotografia digital. Muitas pessoas colocando profissionais contra amadores, comparando DSLRs com iPhones, e coisas do tipo. Tudo gira em torno do mesmo ciclo: “Quem nós podemos considerar como fotógrafos?” e “Instagram é uma forma de fotografia profissional?”

Segundo o Google, a definição de fotografia é “a arte ou prática de tirar e processar fotos”, o que basicamente significa que a fotografia pode ser feita por qualquer um com o mínimo entendimento do assunto, desde que a pessoa em questão tire e processe a foto, o que – graças à tecnologia – pode ser feito em questões de segundos em um smartphone qualquer.

A fotografia digital se estendeu a certo ponto, que pode ser dividida em gêneros e subgêneros. Cada método de fotografia e processamento leva a um “estilo”, e fica fácil se perder no meio de tudo isso.

Sem a intenção, Instagram se tornou uma das diversas ferramentas disponíveis para se tirar, processar e compartilhar imagens belas, criadas por uma comunidade que se estende desde o usuário que quer mostrar o seu domingo na praia com a família, até o perfeccionista hardcore da fotografia. E enquanto muitas pessoas dizem que o Instagram não é “fotografia de verdade”, por ser 1×1, ou qualquer outro motivo tolo, eu discordo. Talvez não seja a maneira ideal para se trabalhar, mas é a melhor forma de marketing pessoal que alguém pode ter.

Sem mais delongas, abaixo estão alguns dos meus Instagrams favoritos. E enquanto você olha as fotos, eu te pergunto: “No Instagram tem ou não fotografia de verdade?”

Lembre-se de checar os feeds de cada um! Valerá cada segundo.

NATHANIEL ATAKORA MARTIN

Fotografo – Alberta, Canadá

A maior parte do seu feed é de belas paisagens frias de países do norte, e alguns retratos muito bem compostos.


CARMEN

Estudante de nutrição (e uma talentosa “instagrammer”) – Vancouver, Canadá

Além de nos fazer sentir ciúmes, Carmen nos ensina sutilmente como ter um café da manhã saudável através de imagens que vão de dar água na boca toda vez que vê-las.


NEAVE BOZORGI

Fotografo – Los Angeles, USA

Sexy, espontânea, bem composta e bem…intrigante. Suas imagens são tudo o que você espera de uma fotografia sensual. Eu realmente amo o jeito que ele captura as modelos “criando imagens que são intimas em natureza e saturadas com nostalgia sensual”, como ele descreve na sua bio.


SWOPES

Uma fofura de Chicago que tira fotos e as edita somente com seu iPhone

cold 🙏

A post shared by Elise Swopes (@swopes) on

Suas imagens capturam um ponto de vista alternativo da vida urbana que muita gente não tem o privilégio de ver. Ela traz vida ao que, muitas vezes pareceria entediante e até arrisca algumas montagens. E eu acho o máximo o fato de ela utilizar apenas seu celular durante o processo todo de tirar, editar e compartilhar suas fotos.


BEN BROWN

Youtuber Nômade, Atleta, Fotógrafo, Filmmaker, Empresário e “Marketeiro”

Para finalizar, essa timelapse de Ben Brown. Esse cara é um dos principais motivos de eu ter deixado de ser uma pessoa tão preguiçosa para me tornar entusiasta em esportes, fotografia, filmografia e, acima de tudo, um entusiasta da vida. Exalando aventura através do seu lifestyle de viagens e esportes, Ben Brown te mostra um pouco de cada coisa, em lugares como Londres, Canadá, Estados Unidos, Africa do Sul e Costa Rica. Você nunca sabe onde ele vai estar no próximo mês, na próxima semana, ou até mesmo dentro de alguns dias. Mas de uma coisa você pode ter certeza: ele estará compartilhando momentos incríveis que você desejaria ter vivido também.


C’EST TOUT, MES AMIS.